quarta-feira, agosto 01, 2012

Exercício de História - O Ciclo do Açúcar no Brasil - Colonia.

1) "A empresa agrícola montada nos trópicos brasileiros constitui uma ampliação da experiência anterior portuguesa nas ilhas do Atlântico, onde a produção açucareira crescera na razão do aumento da procura no mercado consumidor europeu, à medida que as cidades italianas perdiam o monopólio do comércio continental". A partir do texto, podemos concluir que: 
a) Portugal, não tendo encontrado metais preciosos no Brasil, voltou-se para a economia açucareira das ilhas atlânticas. 
b) Antes de os portugueses se apossarem das ilhas atlânticas, ali já existiam grandes lavouras de cana-de-açúcar. 
c) Portugal foi forçado a produzir açúcar no Brasil para equilibrar a produção dos concorrentes das ilhas atlânticas. 
d) A inexperiência dos portugueses com relação a qualquer atividade agrícola levou-os à produção açucareira, pois esta não exigia nenhum técnico. 
e) Portugal optou pela implantação da empresa açucareira no Brasil, pois já dominava a técnica de produção, sendo bem-sucedido em experiências anteriores. 

2) Do texto anterior também inferimos que: 
a) A empresa agrícola com base na produção açucareira só seria possível se fosse rompido o monopólio italiano. 
b) Italianos e portugueses, em uma relação concorrencial, disputavam os melhores mercados do continente. c) A produção das ilhas atlânticas havia caído em mãos dos italianos. 
d) Uma das razões para a implantação da economia açucareira no Brasil foi a crescente solicitação do produto no mercado consumidor europeu. 
e) A empresa agrícola no Brasil colonial foi baseada na experiência anterior dos produtores italiano. 

3) (FGV) No período colonial, a renda das exportações do açúcar: 
a) Raramente ocupou lugar de destaque na pauta das exportações, pelo menos até a chegada da família real ao Brasil. 
b) Mesmo no auge da exportação do ouro, sempre ocupou o primeiro lugar, continuando a ser o produto mais importante. 
c) Ocupou posição de importância mediana, ao lado do fumo, na pauta das exportações brasileiras, de acordo com os registros comerciais. 
d) Ocupou posição relevante apenas durante dois decênios, ao lado de outros produtos, tais como a borracha, o mate e alguns derivados da pecuária. 
e) Nunca ocupou o primeiro lugar, sendo que mesmo no auge da mineração, o açúcar foi um produto de importância apenas relativa. 

4) (Cesgranrio) No século XVII, a inserção do Brasil na dinâmica do Antigo Sistema Colonial impôs uma forma de organização social assentada no predomínio da monocultura açucareira de base escravista. Isto porque: 
a) o açúcar constituía-se, àquela época, no único produto comercializado pelos portugueses nos mercados europeus. 
b) a montagem desta estrutura produtiva favorecia aos objetivos metropolitanos de eliminar toda e qualquer forma de trabalho livre nas colônias. 
c) a criação dos latifúndios açucareiros fixou a população nativa no litoral, possibilitando a ação catequista planejada pela Metrópole Portuguesa. 
d) o latifúndio escravista atendia aos interesses da Metrópole Portuguesa de garantir a produção de açúcar em larga escala para o mercado externo. 
e) a prática comercial portuguesa combinava os interesses dos comerciantes lusos aos dos comerciantes flamengos, que lucravam com o monopólio da venda de escravos. 

5) Participaram da montagem da empresa açucareira brasileira, investindo capitais e participando das operações de refino e comercialização do produto: 
a) Holandeses;
b) Espanhóis; 
c) Italianos; 
d) Ingleses; 
e) Franceses.
############################################################################################################








1) "A empresa agrícola montada nos trópicos brasileiros constitui uma ampliação da experiência anterior portuguesa nas ilhas do Atlântico, onde a produção açucareira crescera na razão do aumento da procura no mercado consumidor europeu, à medida que as cidades italianas perdiam o monopólio do comércio continental". A partir do texto, podemos concluir que: 
a) Portugal, não tendo encontrado metais preciosos no Brasil, voltou-se para a economia açucareira das ilhas atlânticas. 
b) Antes de os portugueses se apossarem das ilhas atlânticas, ali já existiam grandes lavouras de cana-de-açúcar. 
c) Portugal foi forçado a produzir açúcar no Brasil para equilibrar a produção dos concorrentes das ilhas atlânticas. 
d) A inexperiência dos portugueses com relação a qualquer atividade agrícola levou-os à produção açucareira, pois esta não exigia nenhum técnico. 
e) Portugal optou pela implantação da empresa açucareira no Brasil, pois já dominava a técnica de produção, sendo bem-sucedido em experiências anteriores. 

2) Do texto anterior também inferimos que: 
a) A empresa agrícola com base na produção açucareira só seria possível se fosse rompido o monopólio italiano. 
b) Italianos e portugueses, em uma relação concorrencial, disputavam os melhores mercados do continente. c) A produção das ilhas atlânticas havia caído em mãos dos italianos. 
d) Uma das razões para a implantação da economia açucareira no Brasil foi a crescente solicitação do produto no mercado consumidor europeu. 
e) A empresa agrícola no Brasil colonial foi baseada na experiência anterior dos produtores italiano. 

3) (FGV) No período colonial, a renda das exportações do açúcar: 
a) Raramente ocupou lugar de destaque na pauta das exportações, pelo menos até a chegada da família real ao Brasil. 
b) Mesmo no auge da exportação do ouro, sempre ocupou o primeiro lugar, continuando a ser o produto mais importante. 
c) Ocupou posição de importância mediana, ao lado do fumo, na pauta das exportações brasileiras, de acordo com os registros comerciais. 
d) Ocupou posição relevante apenas durante dois decênios, ao lado de outros produtos, tais como a borracha, o mate e alguns derivados da pecuária. 
e) Nunca ocupou o primeiro lugar, sendo que mesmo no auge da mineração, o açúcar foi um produto de importância apenas relativa. 

4) (Cesgranrio) No século XVII, a inserção do Brasil na dinâmica do Antigo Sistema Colonial impôs uma forma de organização social assentada no predomínio da monocultura açucareira de base escravista. Isto porque: 
a) o açúcar constituía-se, àquela época, no único produto comercializado pelos portugueses nos mercados europeus. 
b) a montagem desta estrutura produtiva favorecia aos objetivos metropolitanos de eliminar toda e qualquer forma de trabalho livre nas colônias. 
c) a criação dos latifúndios açucareiros fixou a população nativa no litoral, possibilitando a ação catequista planejada pela Metrópole Portuguesa. 
d) o latifúndio escravista atendia aos interesses da Metrópole Portuguesa de garantir a produção de açúcar em larga escala para o mercado externo. 
e) a prática comercial portuguesa combinava os interesses dos comerciantes lusos aos dos comerciantes flamengos, que lucravam com o monopólio da venda de escravos. 

5) Participaram da montagem da empresa açucareira brasileira, investindo capitais e participando das operações de refino e comercialização do produto: 
a) Holandeses;
b) Espanhóis; 
c) Italianos; 
d) Ingleses; 
e) Franceses.
############################################################################################################








1 comentários:

Maria disse...

Cada o gabaritoooooooooooooo ?